Rio de Janeiro, 


Pesquisa Avançada           Dicas de Pesquisa
Untitled

Página Principal

Institucional
Agenda da Presidência e da Corregedoria
Comissão Socioambiental
Administrativo
Transparência na
gestão pública
Contas Públicas
Informações
Precatórios
Legislação
Certidão de Feitos

 

 LEIA MAIS SOBRE A COLETA SELETIVA

Nova pagina 1

 

 

A separação do lixo é feita pelo usuário no momento de descarte, em lixeiras específicas, sendo recolhido e armazenado em sacos transparentes, até seu transporte final. Este material é destinado às cooperativas de catadores ou unidades municipais de coleta seletiva.

1 - Resíduos Sólidos

Os resíduos sólidos que resultam da atividade do TRT/RJ são separados em dois tipos:

- os materiais recicláveis, que são destinados para a reciclagem e recolhidos pelas cooperativas disponíveis nos diversas cidades;

- os materiais “não recicláveis”, encaminhados para a coleta regular das prefeituras. Como no Rio de Janeiro a Companhia de Limpeza só recolhe 100 litros diários, é contratado um serviço de coleta extraordinária, que, além desses materiais, também recolhe resíduos de obras e de marcenaria.

A separação dos materiais para a coleta seletiva é realizada pelos usuários, nas unidades de trabalho. Posteriormente, é recolhido de forma diferenciada pelos funcionários da limpeza e armazenados até o recolhimento. A freqüência da coleta externa é programada em função da quantidade média de resíduos descartados em cada local.

A implantação da coleta seletiva se iniciou no Prédio Sede da Varas do Rio de Janeiro, em março de 2005. Atualmente, também estão incluídos os prédios Sede e Gomes Freire e os prédios das comarcas de Campos dos Goytacazes, Duque de Caxias, Macaé, Niterói, Nova Iguaçu, Petrópolis, São Gonçalo, São João de Meriti e Teresópolis. Nestas cidades, todo o processo de implantação conta com a colaboração de servidores do local.

 

2 - Plano de Manejo

Para começar a coleta seletiva tivemos a parceria da Comlurb - Cia Municipal de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro através de um convênio de Cooperação Técnica.

Foi realizado um Plano de Manejo para as áreas privativas e comuns,  com um sistema que contemplasse as etapas de acondicionamento, coleta e movimentação dos resíduos, bem como a acumulação temporária, coleta e transporte seletivos até os locais de  destino.

Para verificar o potencial de geração de recicláveis, a Comlurb realizou ensaios para determinar a composição gravimétrica dos resíduos gerados no TRT. O resultado do ensaio demonstrou que a composição dos resíduos gerados mostra elevado percentual de resíduos potencialmente recicláveis, que atinge cerca de 85,55% da massa total.

O  aproveitamento deste material, devido a diversas perdas e contaminações durante a separação,  sofre uma redução de 30%. Sendo assim, a parcela de materiais recicláveis fica na ordem de 60% da massa total de resíduos gerados.

Além do que é gerado nas salas e corredores, também  é descartada uma média diária de 40kg de papelão e 100kg de jornais.

 

3 - Definição dos Recipientes

O plano de manejo define uma metodologia de trabalho, operacionalmente integrada, desde a fase de geração até a coleta externa, com a indicação de recipientes que permitirão efetuar o acondicionamento dos resíduos, de forma higiênica e de fácil manuseio.

Foi definida a utilização de recipientes de 13 litros, na cor azul, em cada mesa de trabalho, para recolhimento, exclusivamente, de papel. Para os demais materiais, decidiu-se utilizar dois recipientes de 25 litros, para cada sala, nas cores amarelo para os demais recicláveis e cinza para aqueles que não podem ser encaminhados para a coleta seletiva.As cores dos recipientes atendem à Resolução  Conama nº 275, de 25 de abril de 2001, sendo que no recipiente amarelo reunimos três tipos de materiais que estão explicitados no adesivo preso aos coletores.

 Veja o que vai em cada lixeira

 

4 - Reciclagem e Separação do Lixo

Reciclar é aproveitar o material do qual foi feito um objeto, uma embalagem ou qualquer coisa fabricada e que já tenha sido usada, transformando em outro objeto.

A reciclagem é um bom destino a ser dado aos resíduos, pois diminui a extração de matéria-prima, reduz o consumo de energia, gera renda e diminui a quantidade de lixo a ser disposto  nos aterros, ou, o que é pior, nos lixões.

Uma atenção muito especial ao papel.

A lixeira azul de cada mesa, exclusivamente, para o descarte do papel, reúne um material com grande percentual de aproveitamento.

Por ser um resíduo limpo e seco, esta lixeira não precisa ser forrada com saco plástico.

Este papel, após ser retirado pelos funcionários da limpeza, acondicionados em sacos transparentes, é recolhido por uma Cooperativa de catadores.

O destino final são as empresas de reciclagem. Elas compram materiais já separados pelos catadores, organizados em fardos, e os transformam em matéria prima para novos produtos. Então,

Na lixeira azul é só papel.

 

5 - Reduzir e Reutilizar

Embora seja dada muita ênfase à reciclagem, existem outras ações muito importantes, que fazem parte do chamado 3Rs.

A redução do consumo, que evita gastos excessivos, permite fazer menos lixo. É quando o produtor ou o consumidor podem optar por evitar muitas embalagens, matérias primas com forte impacto negativo, consumo excessivo de água e energia, dentre outros tantos itens.

A reutilização é o reaproveitamento de materiais, o conserto, a doação, a transformação, evitando o descarte fácil.

 

6 - Ações de sensibilização

Para estimular a correta separação e recolhimento, são realizadas ações informativas, artísticas, mensagens por e-mail, mensagens na intranet, cartazes, informativos.